taxas-futuras-de-juros-tem-leve-correcao-e-recuam,-na-contramao-dos-treasuries

Taxas futuras de juros têm leve correção e recuam, na contramão dos Treasuries

As taxas de juros negociadas no mercado futuro operam em baixa em toda a curva na manhã desta quinta-feira, 18, em um movimento de leve correção, apesar da instabilidade dos retornos dos Treasuries. Nos Estados Unidos, as taxas reagem à fala do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Nova York, John Williams, que afirmou não sentir urgência de cortar juros.

Por aqui, o mercado corrige excessos da véspera, quando houve forte reação a declarações consideradas “hawkish” vindas do presidente do Banco Central brasileiro, Roberto Campos Neto.

Para Gustavo Cruz, estrategista-chefe da RB Investimentos, o mercado colocou prêmios em excesso na curva ontem, chegando a precificar a possibilidade de elevação de juros em 2025, justamente quando se espera um substituto mais “dovish” para Campos Neto.

Apesar da correção desta quinta, ele afirma que por ora a tendência é a manutenção dos juros em patamares exagerados, uma vez que o mercado se mostra desconfortável com as incertezas quanto à política monetária americana e brasileira, além das preocupações com o fiscal doméstico.

Às 11h13, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2025 tinha taxa de 10,40%, contra 10,42% do ajuste de ontem. A taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 10,69%, de 10,76% do ajuste anterior. O DI para janeiro de 2027 projetava 10,97%, ante 11,05%.

Mais cedo, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou a segunda prévia do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), que mostrou recuo de 0,12%, após queda de 0,31% na mesma leitura de março.

Veja Também.

Rolar para cima